Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Histórico

Acessos: 6212

        

Síntese Histórica do 6° Grupo de Mísseis e Foguetes

 

            O nosso Grupo teve origem no 6° Grupo Móvel de Artilharia de Costa,  criado em 1° de outubro de 1942, com o nome de 6° Grupo Móvel de Artilharia de Costa, com o objetivo de realizar a proteção da costa brasileira que se via ameaçada por navios estrangeiros.
             Iniciou sua atividade operacional em 1943, na Baixada Santista, para defender o porto de Santos, reforçando a defesa daquele litoral, que era realizado, então, pelo 5° Grupo de Artilharia de Costa, localizado na cidade de Praia Grande.
               Em 28 de junho de 1946, o 6° GMAC passou a se chamar 6° Grupo de Artilharia de Costa Motorizado (6° GACosM). Nesse contexto, recebeu a denominação histórica de Grupo José Bonifácio, em homenagem àquele que muito contribuiu para a Independência do Brasil, em 1822.
               Em 31 de março de 1960, o 5° Grupo de Artilharia de Costa foi extinto, passando o 6° GACosM a ocupar as suas instalações na Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande. Com isso, os antigos canhões schneider de 150 mm foram substituídos pelos canhões móveis Vickers Armstrong de 152.4 mm.
              Na década de 90, o Exército Brasileiro adquiriu o moderno material ASTROS II, fabricado pela indústria de defesa nacional AVIBRAS. As cinco baterias de lançadores múltiplos de foguetes foram distribuídas pelas seguintes Unidades no território nacional:
- 1º Bateria LMF em Brasília – DF;
- 3° Bateria LMF em Cruz Alta – RS;
- 1° Bateria do 10° GACosM – em Macaé – RJ;
- 6° Grupo de Artilharia de Costa Motorizado – Grupo José Bonifácio – em Praia Grande; e
- 8° Grupo de Artilharia de Costa Motorizado – Grupo Presidente Ernesto Geisel, localizado em Niterói.

 

   Chegamos ao século XXI. Os desafios impostos pelo novo século conduziram a novas transformações da Força, executou a complexa tarefa de viabilizar os Atos Administrativos emanados e coordenar as ações necessárias para a execução do projeto. Por tudo isso, tornou-se o principal comandante e chefe militar que deu vida ao 6° Grupo de Mísseis e Foguetes. Hoje, somos uma Unidade de Força de Atuação Estratégica do Exército, como um verdadeiro polo gerador de forças, com tropa permanentemente adestrada para atuar em qualquer ponto do território nacional.
           O 6° GMF de hoje está no núcleo do Projeto Estratégico do Exército ASTROS 2020, um dos indutores de Transformação da Força Terrestre cujo objetivo é incrementar a dissuasão extra regional do País.

registrado em:
Fim do conteúdo da página